Publicado por: Amália Sousa | Setembro 6, 2008

Detergentes (1)

 O primeiro detergente (saponáceo) foi fabricado na Alemanha em 1907 e foi lançado no mercado pela empresa química Henkel.

Consistia numa mistura de sabão tradicional com perborato e silicato sódicos. Ficou conhecido por PERSIL que são as três primeiras letras dos produtos da mistura.

Este produto revolucionou o trabalho doméstico, tendo contribuído para o começo da libertação feminina por ter permitido a criação das máquinas de lavar roupa.

Actualmente, os detergentes são de origem sintética e, embora  difiram considerávelmente uns dos outros quanto à estrutura química, as moléculas de todos eles têm uma característica comum, a qual é também apresentada pelo sabão ordinário: uma parte muito grande apolar, com natureza de hidrocarboneto, e uma extremidade polar soluvel em água.

Os alcoois de C12 a  C18 convertem-se em sais de hidrogéno-sulfato de laurilo.

Por exemplo:

Neste caso, a parte não polar é a longa cadeia e a parte polar é o 

Por tratamento dos álcoois com óxido de etileno obtem-se um detergente não iónico:

A possibilidade de formação de ligações de hidregénio com os numerosos átomos de oxigénio tornam a parte terminal do poliéster solúvel em água.

Os etoxilatos podem também converter-se em sulfatos e utilizar-se na forma dos respectivos sais de sódio.

 Os sais de sódio dos ácidos alquilbenzenos-sulfónicos são talvez os detergentes mais utilizados. Para a obtenção destes detergentes, liga-se primeiramente um grupo alquilo de longa cadeia a um anel benzénico por acção de um haleto de alquilo, de um alceno ou de um alcool conjuntamente com um catalizador;  seguidamente efectua-se a sulfonação e finalmente a neutralização.

Até ao ano de 1965, o propileno era vulgarmente utilizado para a síntese destes alquilbenzeno-sulfonatos; a cadeia lateral altamente ramificada assim obtida impede a rápida degradação biológica do detergente nas instalações de tratamento de águas.

Estes detergentes chamados “duros” tem sido substituídos por detergentes “moles” (biodegradáveis); sulfatos de alquilo; etoxilatos e respectivos sulfatos; e alquilbenzeno-sulfonatos em que o grupo fenilo se fixa ao acaso a qualquer das diversas posições secundárias da longa cadeia alifática contínua (no intervalo C12 – C18).

As cadeias laterais destes alquilbenzeno-sulfonatos “lineares” obtêm-se de Alcenos ou alcanos clorados de cadeia contínua e separados do ceroseno (fracção seguinte à gasolina na destilação do petróleo, também denominado querosene).

A vantagem da utilização de detergentes em vez de sabão, é fundamentalmente o facto de serem eficazes mesmo em água dura, ao contrária do sabão.

Bibliografia:Química Orgânica R.T.Morrisson, R.N.Boyd 4ªEdição F.C.Gulbenkian 


Responses

  1. eu nao entendi nada eu axo q dava pra sr melhor pq outros cm eu nao vao entender nada tbm.

  2. naum entendi nada eu só queria uma formula…


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: